Nota do NEP das Filipinas sobre o justiçamento do líder paramilitar Kumander Ibon

1 ago

Publicamos a seguir, nota do Novo Exército Popular, braço armado do Partido Comunista das Filipinas sobre o justiçamento de um líder paramilitar local, que pagou com a vida por seus crimes contra-revolucionários cometidos contra as massas populares filipinas. No site do Coletivo Bandeira Vermelha disponibilizaremos os principais informes do Partido Comunista das Filipinas e do Novo Exército Popular, que lidera uma poderosa guerra popular contra o sistema semicolonial e semi-feudal filipino.

 

Soldados do Comando Guerrilheiro Herminio Alfonso, do Comando de Operações do Front 53 do Novo Exército Popular, justiçaram o notório líder paramilitar Abantas Ansabo (conhecido vulgarmente como Kumander Ibon) – responsável por banditismo e vários outros crimes contra a humanidade –, no dia 27 julho, às 6h da manhã, em Sitio Kiapay, Barangay Ganatan, Arakan, em Cotabato do Norte. O Novo Exército Popular prendeu e mais tarde soltou seis de seus comparsas armados, incluindo seu oficial vice comandante, confiscou um rifle Garand e duas escopetas.

Tal decisão foi cumprida segundo a recomendação de pena máxima do Tribunal Popular, que ouviu onze casos de assassinato e várias reclamações de famílias e parentes das vítimas, e apresentou sólidas evidências através de numerosas testemunhas nas comunidades de Arakan em Cotabato do Norte. O Tribunal Popular, constituído por órgãos do Governo Democrático-Popular condenou Kumander Ibon por sabotagem, colaboração as forças armadas fascistas das Filipinas, uso de agressão física e vários crimes contra a humanidade, como o assassinato de dezenove lumads* e camponeses, assim como o envolvimento em onze casos de assassinato, incluindo o massacre de sete membros de uma família e o repugnante degolamento de duas crianças.

Kumander Ibon era também temido pelas massas por estar envolvido em outros crimes que não necessariamente se enquadravam na pena máxima, como três casos de tentativa de assassinato, três casos de dano a propriedade e matança de animais, cinco casos de roubo e extorsão, um caso de incêndio intencionado e coerção, e um caso de recrutamento forçado para as milícias reacionárias.

Enquanto Kumander Ibon foi durante longo tempo um fantoche das forças armadas filipinas, as massas camponesas e lumads ficaram satisfeitas com seu fuzilamento, uma justiça revolucionária merecida pelos familiares de suas vítimas e por conta do longo sofrimento das comunidades.

A recente ação punitiva do NEP é um aviso contra os bandidos do exército filipino – coluna vertebral do regime pró-EUA de Aquino – responsável por formar criminosos e abastecer canalhas como Kumander Ibon.

As Forças Armadas das Filipinas financiaram e auxiliaram Kumander Ibon e sua gangue de criminosos por sua campanha contrarrevolucionária em Cotabato do Norte. A camarilha FAF-Kumander Ibon mantinha um terror permanente contra civis, ataques contra lumads, instigação de esquemas para ganho fácil de dinheiro, mantinha atividades antissociais como banditismo e tráfico de drogas, e fazia uso da força bruta sob o falso slogan da “paz e desenvolvimento”, indo contra as leis da guerra e a própria Liga Internacional Humanitária. Não passa de uma enorme hipocrisia que as Forças Armadas das Filipinas façam uso dos direitos humanos para se opuser à sentença do Novo Exército Popular; o registro criminal das FAF, testemunhado pelas massas, fala por si só.

Entre os últimos projetos de Kumanber Ibon em conjunto com as FAF, estava o recrutamento forçado de 30 lumads em Sitio Kiapat e Sitio Uwayunan em Brangay Ganatan, Barangay Mahungkog, e Sitio Lubas em Barangay Amabel.

Foram documentados na investigação do Tribunal Popular os seguintes casos atribuídos a Kumander Ibon e seus comparsas, Rex Ansabo, um fugitivo e Jun Asabo:

Assassinato:

1. Thomas Ygot – 13 de agosto de 2008;

2. Sopronio Asenjo – 29 de outubro de 2003;

3. Umbaya Anum – outubro de 2003;

4. Faustino Amasing – 1 de maio de 2010;

5. Jimmy Quilario – 20 de agosto de 2010;

6.Massacre de sete membros da família Alcotin;

7. Siblings Camino, em Barangay Ganatan;

8. Main, em Barangay Ganatan;

9. Tumoy, em Uwayanon, Sitio Kiapat;

10. Irmãos Quering em Sitio Kiapat;

11. Degolamento de duas crianças em Meocan, Arakan.

Tentativas de assassinato:

1. Atirou contra Felix Gonzales em 28 de fevereiro de 2009 , em Sitio Libungan, Barangay Mahongkog;

2. Metralhou a casa de Gerardo Delgado e Reco Dumali em 7 de agosto de 2010, às 10 da noite, em Tagaytay e Purok 8;

3. Metralhou o quartel policial barangay e tentativa de assassinato do Capitão Acupan em 10 de agosto de 2010, em Sitio Tulay Mahongkog.

 Danos contra propriedade/matança de animais:

1. Danificou uma mangueira d’água em 8 de maio de 2011, em Malibatuan e Little Baguio;

2. Amputou e mutilou um cavalo em propriedade de Mario Elmo Canete em 14 de maio de 2010, em Crossing Sleg, Mahongkog;

3. Degolou três porcos, um cachorro e destruiu as propriedades em nome de Jaime Elogsong em 15 de abril de 2011.

4. Degolou um cavalo em propriedade de Vergie Cadungon em 25 de maio de 2011; mais tarde, foi paga pelo proprietário uma taxa de 50 mil pesos.

 Incêndio:

1.       Incendiou a casa de Amites Delgado em 8 de maio de 2011.

(Sgd) Isabel Santiago
Spokesperson
Herminio Alfonso Command
Guerilla Front 53 Operations Command
New People’s Army-Southern Mindanao

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: